O Não Dizimista será salvo?

Paz.

Este post é em resposta a este outro post(http://ubeblog.ning.com/forum/topics/o-nao-dizimista-sera-salvo) de uma comunidade de blogueiros evangélicos.

Vamos por partes. Primeiro analisar o que o post em si questiona:

Malaquias diz que quem não entrega o DÍZIMO rouba a Deus.

Vamos citar Malaquias:

Malaquias 3

7 Desde os dias de vossos pais vos desviastes dos meus estatutos, e não os guardastes. Tornai vós para mim, e eu tornarei para vós diz o Senhor dos exércitos. Mas vós dizeis: Em que havemos de tornar?
8 Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas.
9 Vós sois amaldiçoados com a maldição; porque a mim me roubais, sim, vós, esta nação toda.
10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.
11 Também por amor de vós reprovarei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; nem a vossa vide no campo lançará o seu fruto antes do tempo, diz o Senhor dos exércitos.
12 E todas as nações vos chamarão bem-aventurados; porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o Senhor dos exércitos.

Em primeiro lugar: O que é “Casa do Tesouro”?

Casa do tesouro era o templo de Salomão, que foi reconstruído mais tarde após o retorno do cativeiro na Babilônia. Mas o templo de Salomão não era somente o Templo de Adoração (como hoje são as sinagogas), mas, também, “Sede do Governo”, uma vez que Israel era uma “teocracia” (ou seja, um estado governado pelas leis de seu deus). Neste caso, eu usei deus com “d” minúsculo por que Israel não era a única teocracia existente, naquela época era muito comum cada país ser uma teocracia. Ou seja, ser “israelita” significava 3 coisas simultaneas:

  1. Ser cidadão de Israel
  2. Crer no Deus de Israel
  3. Obedecer as leis de Israel (que eram baseadas em sua religião)

Ninguém poderia se considerar israelita se não obedecesse estas 3 condições juntas. E era assim também para os Egípcios, os gregos, os romanos, e todos os povos daquela época.

Hoje o mundo moderno (ocidental) funciona de forma completamente diferente. Você pode ser brasileiro e crer no deus que quiser. O País é regido por um estado e nem o país, nem o estado se submetem à religião. Por isso, para nós, temos distinção das 3 coisas: Brasil é o país, governo federal é o estado que rege o país (sem entrar em detalhes quanto ao estadual, municipal etc) e a religião é de sua livre escolha. Então ser brasileiro não significa, necessariamente, ser católico ou ser evangélico ou o que quer que seja.

Mas ser israelita, significava ser cidadão do país de Israel, sujeito ao Estado de Israel e adepto à Religião de Israel:

Rute 1:16 Respondeu, porém, Rute: Não me instes a que te abandone e deixe de seguir-te. Porque aonde quer que tu fores, irei eu; e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo será o meu povo, o teu Deus será o meu Deus.

Aí vemos o exemplo disto em Rute. “Teu povo será o meu povo, o teu Deus será o meu Deus.”

Isto era uma teocracia. E aí mora a confusão. Em um estado existem leis e encargos para manter o Estado. No Brasil nós pagamos impostos altíssimos para manter o estado. Em uma teocracia não era diferente: também haviam encargos. Daí o dízimo e daí também a palavra “Casa do Tesouro”. Assim como nosso governo tem o Banco Central.

O dízimo era uma instituição Israelita, que se iniciou em Abraão, mas passou a ser lei mais tarde. E ele era uma lei Israelita, para manter o Estado de Israel.

Nossas igrejas, aquelas edificações onde nos reunimos e chamamos equivocadamente de templo (comparando com o templo de salomão) não são na verdade “casa do tesouro”. Não são sequer templos. São edificações construídas para nos reunirmos e precisamos tomar cuidado para não idolatrá-las, como fazemos de costume achando que quando se está naquele lugar não se pode fazer certas coisas que acabamos fazendo inúmeras vezes fora dele.

O cristão precisa ser cristão dentro e fora da edificação por que agora o templo é ele mesmo. E ao agir assim, não vai idolatrar o lugar dizendo “não pode falar palavrão na igreja” e passa a saber que não convém falar palavrão em lugar algum. Dentro ou fora.

Pois bem, lá não é templo. Não é casa do tesouro. Lá é o lugar onde nos reunimos como corpo de cristo (ou deveria ser) para entrarmos em comunhão:

Efésios 5

18 E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito,
19 falando entre vós em salmos, hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração,
20 sempre dando graças por tudo a Deus, o Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo,
21 sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.

E como os discípulos faziam? Não se enganem. Os primeiros cristãos eram judeus. Portanto davam o dízimo. Mas, eles apresentavam o dízimo no templo judeu e quando se reuniam com os irmãos da fé em Cristo (fora do templo judeu), apresentavam as ofertas. Portanto, as ofertas fazem parte do que os discípulos fizeram ao dar início ao cristianismo. O dízimo era só um cumprimento judaico.

Da pergunta: Afinal, quem não devolve o dízimo na Casa do Tesouro, segundo a bíblia, será salvo ou condenado?

Mateus 16:16 Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.

Do comentário: O tema exige uma análise mais profunda que qualquer “achismo”.

Não. Só exige que se leia os evangelhos. Leia também a carta aos romanos:

Romanos 8

1 Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.
2 Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.
3 Porquanto o que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne, Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e por causa do pecado, na carne condenou o pecado.

Esta palavra em nada combina com:

Malaquias 3

8 Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas.
9 Vós sois amaldiçoados com a maldição; porque a mim me roubais, sim, vós, esta nação toda.

Ou se alguém encontrar alguma harmonia nessas duas passagens, por favor, me mostrem. Ou seja, basta apenas ler. O povo cristão se esquece de ler por que se contenta com o que o pastor lê antes do sermão. E o pastor só lê o que quer ler para passar o sermão. Independente de estar pregando certo ou errado, temos que ler também por nós mesmos.

E quanto ao dízimo, então? O que devemos fazer?

  1.  Usar nosso recurso para exercer pessoalmente a misericórdia e o amor de Cristo aos necessitados. Portanto guarde um recurso, não pra teu uso, mas para andar preparado para usá-lo ao enxergar alguém que necessite. Este é o verdadeiro evangelho. Ele nem precisa de pregação. A manifestação deste amor faz a pessoa enxergar Cristo através de ti. Não faça como aqueles que acham que dando para a igreja, estão deixando-a fazer o bem por ela, por que a prática da misericórdia e do amor deve ser pessoal.
  2. Faça participante o irmão que ministra o evangelho, ajudando-o no seu sustento, por que ele também precisa de pão, assim como você.
  3. Ajude na manutenção da divulgação do evangelho. Seja na infra-estrutura da edificação (como pequenas reformas, aquisição de equipamentos, ou até contribuição financeira mesmo) ou seja em qualquer outra forma de contribuição.

Mas fique atento para o fato de que tudo isto deve ser em liberdade. De coração. Por compadecimento e nunca por obrigação. E sem valor estipulado (10% ou os novos 30% que o Waldomiro Santiago teve coragem de criar). E lembre-se que “não há condenação pra ti” se estiver em Cristo.

E nunca se esqueça dos teus primeiro. Por que é hipocrisia levar o dinheiro pra igreja e deixar sua família na necessidade. Se teu parente está desempregado e precisa do recurso, aplique-o aí pois Deus não vai sentir falta disto e sua família será testemunha do teu amor por ela.

Um dizimista fiel, porém invejoso, falso, adúltero e mentiroso, segundo a bíblia, tem garantia de salvação só por devolver o dízimo? Ora, claro que não.Por outro, aquele não é dizimista fiel, no entanto, tem bom coração, não é invejoso, não é adúltero e nem metiroso, pode se dizer salvo? O que pensam os colegas a respeito?

Como expliquei, dar ou não dar o dízimo não te faz ser mais digno de salvação que qualquer um, ou mais digno de condenação que qualquer um. Todos pecaram e precisam da graça de Cristo que não é enviada através do dízimo. E não dar o dízimo não é mais roubar a Deus. Por que Cristo, antes de morrer, disse “Está consumado”.

Amém.

About these ads

3 Respostas

  1. Oi Daniel, tudo bem?

    Não sei se lembra de mim. Eu participei da academia de ABAP na KA Solution junto contigo. Me sentava junto ao outro Daniel, o Jesus, lembrou? Hehe.
    Cara, achei muito interessante a sua opinião e concordo com ela. Como cristão, me deixa muito chateado ouvir as histórias de pessoas que vão às igrejas para buscar a salvação e acabam sendo enganadas. Por exemplo, o irmão de uma pessoa que trabalha comigo foi em uma igreja e ao final do culto foi orar com o pastor. Ele disse que o pastor ficava forçando a cabeça dele pra baixo pra que caísse a fim de impressionar as outras pessoas com o “seu poder”. Ou então borrifava água muito gelada no rosto e se a pessoa tremesse é por que estava com o demônio do corpo. E o pior é que após isso ele foi encaminhado a um compartimento atrás do palco onde tinha um exército aguardando para quase que forçar a pessoa a contribuir financeiramente. Já vinham perguntando se era “Visa ou Mastercard”! Muito absurdo e não foi a primeira vez que ouvi história semelhante. Como também já ouvi pessoas que deixam de ajudar a família para ajudar e igreja… Se for falar todas as coisas que já ouvi vou me alongar muito. Só queria dizer que concordo plenamente que devemos ler o evangelho e não sermos influenciados pelo que outras pessoas dizem. E acredito que tudo que tenha dinheiro envolvido temos que ter muito cuidado.
    Vou salvar seu blog nos favoritos…
    Mudando de assunto, tem um em que você escreva sobre trecnologia? Me passa, por favor.
    Grande abraço.

    • Paulo,
      Tudo ótimo. E com você?
      Sabe, esta história de fazer a pessoa cair, ou usar artifícios para entender se está com o “demônio” no corpo ou coisas semelhantes é outro grande engano do qual falarei em breve. Lamento que as pessoas tenham de passar por tal situação como as que você citou. E lamento que as igrejas tentem relacionar a “libertação” como um motivo a “contribuição”.
      Estou firme neste propósito de tentar acordar a igreja, embora seja muita presunção da minha parte achar que consiga fazer isto. Mas por que não tentar? Não é?
      Quanto a blog de tecnologia, já faz muito tempo que não tenho mais feito nada neste sentido. Lamento.
      Abraço e sucesso.

  2. Concordo. Mais o importante de tudo isso é o cristão fazer com liberdade e sem tomar para sí a sentença de culpado ou inocente por fazer aquilo que está em seu coração. É verdade que no novo testamento não se fala sobre o dízimo. Mas se há desejo que o faça aquele que ama a causa do Senhor. Pois é o Espirito quem testifica… sim, sim. Não, não.
    Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: